quarta-feira, dezembro 31, 2008

Queima Giordano!


Giordano Bruno foi um Matemático que foi aonde Galileu não teve coragem de ir: A Fogueira por suas idéias. Ele também tinha fama de Mulherengo, era mais jovem a época de seu churrasco, a Inquisição meteu medo nos dois. Apenas um transcendeu.

Ecos e faíscas destas chamas serão sempre eternas entre nós. A doxa nunca para de dogmatizar as coisas. E sucumbir a doxa é sempre mais fácil. No nosso âmbito existem diversas lendas e crendices, muitas alimentadas pela odiosa mania de consultar o Dr. Google. Hj em dia é tudo rápido, queremos saber de tudo, ler tudo na diagonal, leitura dinâmica e outras tantas. Antes se fazia isso com livros, hj se faz com paragrafos de internet editados e revisados pelos estagiários de plantão. Saber alguma coisa se torna fuleiro na medida q a doxa desconhece tal coisa.

Uma das coisas que incomoda quem vai contra a corrente é o "não pode" e o "é impossível". Nada pode ser impossível prum cara que reestruturou os encanamentos internos como eu. NÂO VOLTO A COMER CARNE DE ANIMAIS TERRESTRES! TEM de existir suplementações e combinações de alimentos que possibilitem isso. Não me venham com esta conversa.

Último dia de 2008. Parabéns aos que chegaram até aqui. Sorte para o ano que chega!

terça-feira, dezembro 30, 2008

Primeiro prato quente: Feijão Azuki Amigão


Hoje eu pude fazer uma sopinha mais encorpada. Como eu nâo tenho balança descolei uma xícara pequena e ela é o meu padrão em volumes. Meia xícara tem 100 ml de água, de feijão ou de ouro. Portanto aí vai. A xícara cheia tem 200ml. (é tipo aquelas de ferro e ágata de fazenda, ideal prum cafézinho)

meia xícara de feijão azuki
meia xícara de arroz integral (mix de cateto e vermelho)
dois talos de cebolinha
1 dente de alho
1 cebola pequena de verdade
1 nhame pequeno
1,2 litros dágua
peneira grossa
peneira fina
1 panela de pressão de 2l
1 leiteira
1 mixer de mão
Pouco sal. Marinho de preferencia.

È colocar tudo na panela de pressão e fogo nela. Subiu a pressão meia hora em fogo baixo. Não vale provar. Não tem azeite! Terminou, mande o mixer (pode ser liquidificador) passe numa peneira grossa e retire o bagação. Volte ao fogo, ferveu pegue uma caneca bacana e coe na peneira fina o q vc for beber (150 - 200 ml). Deixe pra fazer esta coada na hora de beber, senão o caldo fica muito sem graça. Se tiver companhia sugiro pegar um pouco do cheiro verde, dar uma bela picada, e ser generoso no azeite de sua companhia. Feijão azuki dá um gás necessário. É leve e alimenta, assim como o arroz integral. O nhame dá uma consistência e tem fama de ajudar no sistema imunológico. Cebola e alho dão o gosto de verdade e residência.

O meu bateu bem. Sugiro pouco sal....pelo menos por agora....e depois.

2008 no fim.

Última do Ano


Hoje eu tive a ultima consulta médica do Ano. Marcados exames de sangue e registrado a perda total de 21 Kg da operação para cá, 19 dias de operado.
Retirei os pontos, mas devo estar atento, pois mesmo assim pode descer secreção. Tenho de manter os curativos por mais uma semana. A cinta por 6 meses.
Quero perder mais de 30 Kg ate minha proxima consulta, 21 de janeiro.
Mantenho a dieta líquida com direito a sopa rala.

To muito afim de ferver uma cabeça de peixe com limão, cebola, salsa, coentro e cheiro verde.

Ai meu humor melhora!

Feliz Ano Novo!

segunda-feira, dezembro 29, 2008

Xaman o Cazzo!


Hj eu to muito irritado. Queimação é o cazzo eu to com FOME! A cinta ta me dando coceira, o calor ta infernal. Eu queria matar este animal hj mesmo.

To enjoado destas bebidinhas, golinhos e agua morna. Saudades de casa.

Saco cheio!

domingo, dezembro 28, 2008

Xamanismo


Eu ando brincando com isso, de que estou num estado xamânico. De cara mágico, pois estou com 17 dias de operado, sem comer nada, na base de gatorade e água de côco e não sinto fome. O segundo pq é um estado, não de fraqueza, mas de suavidade na falta de termo melhor. Estou calmo, falando baixo. Lembra um pouco o estado de qdo se está treinando com pouca alimentação.
Tenho dormido bem, e a impressão é de que se emagrece dormindo. As excreções são concentradas, a urina lembra cerveja choca de um ambar muito forte e cheiro diferente. O número dois tá raro. Em 17 dias fui 4 ou 5 vezes no máximo. Uma média de a cada 3 ou 4 dias.
Ja estou bebendo sem auxílio dos copinhos, mas de maneira nenhuma bebo mais de 3 litros por dia. Goladas altamente parcimoniosas, to consciente de q posso, mas naão quero ser estrangulado por nenhum gole mais generoso.
Adiante, tbem não pretendo dar moleza com nenhum pedaço de alguma coisa mal mastigada também. Outra coisa é sair deste modo atento e entrar logo em stealth senão eu fico muito chato e acabo reparando mais nos outros que em mim.

Ta acabando o ano, um gole d'água do filtro pra comemorar.

sexta-feira, dezembro 26, 2008

Dificuldades 2


Essa deve sem dúvidas ser a fase mais chata destes novos tempos. A dieta líqüida é monótona, os dias estão longos e minha energia não é das maiores. A compensação é sentir o catabolismo em ação. Roupas esquecidas voltaram ao repertório frouxas. E as roupas de outras vidas, já entram na possibilidade.

A época do ano também é violentamente pró comida. Estou num condomínio de 3 prédios, 9 andares com 4 apartamntos por andar. Come-se em todos eles freneticamente. Esse deve ser o grande desafio do gastroplastizado, saber qdo comer e encher o tempo com outras atividades, num mundo de celebrações em volta de uma mesa. É isso ou o isolamento, fiz isso dia 25 a tarde voltei pro meu AP e curti o vazio.

Tô com sede.

quinta-feira, dezembro 25, 2008

Dificuldades


Os aromas Natalinos, são diferentes e característicos. Até agora tem sido as maiores tentações deste PO.

Ao mesmo tempo é hora de se treinar a força de vontade. Manter o bom humor e levar tudo com fleuma e ironia. O mundo não para nunca pra gente descer, nem subir. A adaptação é rápida, ao menos deve ser, senão o tombo é certo.

Estou na casa do meu Pai, e isso tem sido muito importante. Uma reaproximação intensa e forçada, as voltas com curativos, colocações de faixas e ecos de todos os passados. Milindres de parte a parte e disposição e disputas de espaços.as
Felizmente mais forte que aromas Natalinos é o espírito e a boa vontade de acertar. Agradeço por estar com minha Família. Especialmente meu Pai a quem devo tudo em mais de uma vida.

quarta-feira, dezembro 24, 2008

Anestesia, Apoios e Fogo amigo.


Outro dia eu tava lendo uma crítica ao ALGOLAGNIA, o pau desceria, pois no primeiro parágrafo o cara pedia quase que desculpas, que achava louvável o abordar tal tema, de que não sabia ao certo quanto de grana foi gasto no projeto mas... aí marreta a marretinha. Gostei da maioria das críticas, algumas até já bem assimilidas após dois anos de distanciamento do filme. Algumas no entanto não descem, um exemplo é aquela que bate naquilo que nào existe no filme: "eu acredito que faltou depoimentos de especialistas". Ora bolas, falar naquilo que faltou não faz parte do jogo, é crítica de realizador. Guarde-a no seu bolso e qdo fizer seu filme não deixe de fazer uso desta sugestão. Acho que este tipo de pensamento, acaba permeando a todos nós. É facil ver numa conversa informal alguém dizer que faria tal coisa de determinada maneira. Mesmo coisas totalmente fora de seu conhecimento ou realidade.

Assim é o reino da gastroplastia. Eu resolvi explaná-la desde algum momento lá atrás de maneira tal que todo mundo ligado a mim real e virtualmente soubesse. Poderia ser outra coisa, mas não foi. Tenho registrado em fotos e vídeos a aventura dos pontos, os sustos e tantas outras coisas.

Tive algumas reações clássicas: Po, mas vais operar agora no NATAL? Acho que vc não precisa? É tava na hora? Tenho uma amiga que fez e tá super bem? Sabe se vai se aberta ou fechada? Anestesia geral, Raqui? E algumas outras. Nas reuniões do grupo, vc vê sempre estas questões e suas variantes.

A descisão de fazer ou não é de foro do médico e do paciente, os meios da realização da equipe e ao paciente cabe seguir as regras do jogo, inventar algo nesse momento é um risco muito grande. É quase que propor algo que nunca esteve lá. Não há justificativa pra isso.

Um mes antes de operar, eu pintei o meu muquifo de verde. Esperança. O cara que fez o serviço pediu marca de tinta, quantidade e acessórios. Tremendo profissional, em 4 dias resolveu o muquifo green, com direito a teto branco e ton sur ton nas paredes. O cara usou rolos e pincéis variados, tudo dele próprio.

Pois bem, não que eu seja uma parede (as vezes minha sensibilidade é até menor) mas uma vez decidido operar, não mais me interessou saber detalhes de Anestesia e Técnica. Isso não era variável explícita em meu raciocínio. A mim cabia apenas saber o que eu deveria fazer para sofrer o menos possível no Pós-operatório próximo e também distante. Questionei algumas coisas, recebi algumas explicações plenamente convincentes.

Passei a mandar sopas e sucos com mais freqüência, inhame e batatata baroa, descobri o suco de aipo com cenoura na centrífuga entre outras. Reduzi, bastante a ingesta de gorduras saturadas. Descobri o sorbet de frutas congeladas com Ades light qquer sabor. Vai voltar em breve a minha vida, assim q eu sair desta fase líquida.

Enfim, decidido operar esperneie um pouco, mas no fim não dá pra inventar método, ou procurar outro. Não dá para improvisar neste momento. Apesar de aguardar ansioso o Gatorade sabor rabanada.

Feliz Natal a todos com brinde de água de côco.

terça-feira, dezembro 23, 2008

Projeto Nimis Ardenter


Eu estou em envolvido desde meados do ano com um novo documentário, no início pretendíamos abordar os disturbios alimentares de mulheres cariocas. Bulimia, Anorexia e Obesidade, todas ligadas a Binge. Um problema psiquiátrico. Contudo, Bulímicas e Anoréxicas são tímidas e raras de se manifestarem até mesmo para elas próprias. O filme tem como ponto de partida mulheres com 40 Kg fora da norma, a perder ou perdidos.
O doc que fiz anteriormente se chama ALGOLAGNIA e trata do universo de praticantes de BDSM no RJ. Um recorte singelo e particular, onde a dicotomia de idéias e opiniões está inserida no próprio grupo. Não há necessidades de explicações externas ao grupo. Nem é esse o desejo. Nunca é.
Eu gosto de temas urbanos por vários motivos, o primeiro é minha natureza, depois a conveniência. Eu moro no Rio de Janeiro, custeio a maioria dos meus filmes, registro aqui pq moro e me interesso pelo meu entorno. Exotismos eu faria com budget da Discovery ou da Nat Geo.
Temos já captados mais de 8 Horas de depoimentos e coberturas, em princípio busco algo na forma do ALGOLAGNIA, discurso picotado coletivo, Eisentein na veia e agilidade nos cortes. Não há dúvidas de que 2 anos fazem a diferença. Neste filme temos uma infra melhor, um exército de Brancaleone (Eu, Renata, Priscila e Maurício) atentos a Direcão, Texto, Produção e Fotografia. Além é claro da imensa contribuição de Vanesca em idéias, sugestões e contatos com o mundo gastroplastizado.
Eu estou ainda contando com Dallyzinha viabilizar a entrada de duas Artistas Plásticas que aumentem o espectro de opiniões, idéias e imagens.
O filme NÃO é de maneira alguma ligado a este ou aquele tratamento ou mesmo ao conceito formal de que Obesidade é algo errado. Ele parte sim, de que o excesso de peso é um mal contemporâneo, onde uma série de fatores contribuem para que uma tendência seja estimulada extremamente por hábitos sociais e econômicos levando assim a uma distorção ou mesmo uma incapacidade de administração de corpo e mente.
O filme volta a panela 5 de janeiro, refazendo encontro de equipe e colaboradores. Esperamos por volta de março ter o mateial completo e aí em um mês edições e testes, com lançamento junto com meu aniversário. Em maio de 2009.

Um gde abraço, Feliz Natal e muita Guerrilha no Ano Novo a todos os amigos e colaboradores de projetos insanos, bizarros e estranhos TMB.

Obrigado!

segunda-feira, dezembro 22, 2008

Dieta do Demo

Passaporte e Visto de Saída


Eu já tenho o Passaporte há muito tempo, nunca o utilizei, nunca saí efetivamente da Gordolândia. Até onde me lembro, nasci nesta terra. É uma terra ampla.
Eu fiz diversos tratamento de emagrecimento, os aliados a atividade física sempre foram os melhores sucedidos, pelo menos aparentemente. Eu nunca concluí nenhum deles. Com esta intevençào cirúrgica eu não terei como, tenho que seguir adiante com acompanhamento médico regular e encontros de grupo de migrantes da terra dos gordos por muito tempo.

Ser um morador da Gordolãndia, Gordópolis e outros lugares de manequim distante é bizarro. Um gordo dá de cara suas fraquezas: seu corpo por dentro, por fora, coisas tangíveis e intangíveis ligadas a isso. Ele não sabe administrar coisas ligadas a sua carcaça. Resta descobrir o que. Inicie uma pesquisa, qual seu prato preferido? Alguns mais escrotos dirão que é rabada com tutú, outros Massa com Salada Fancy. No Boteco ou no Gula Gula, todo habitante da Gordolãndia deixa sua assinatura. Raspa o prato e tem lugar pra mais um, mesmo usando Protex. Quer ser mais cruel? Discuta coisa sobre estas malditas cadeiras plásticas, a baixa resistência e a constante gravitacional agindo 24h por dia são terror certo para o ser de manequim exótico.

Tem os filhinhos da mamãe que não sabem comer sem feijão, os alérgicos a comida natural mas incrivelmente resistentes a angú a baiana. Os que são viciados em coca-cola, e uma série de outros dogmas orais.

A operação ajuda pricipalmente nisso. Não existe mais lugar pra fazer lotada no buchão. Hábitos alimentares de conforto são adiados, só liquidos sem graça engrossando lentamemente ate a tal dieta livre, um alarme no peito contra pouca mastigação, o prêmio anual de quem come e não vomita. Uma nova estrutura digestiva, não valeria a pena começar algo novo naquilo que vem pela boca também?

Antes de operar o gordo poderia vir a noite fazendo várias paradas, jantar, encontrar os amigos, dar uma carona, beber uma no postinho. Em todas as escalas boca cheia, sendo ainda na última companhia pra madrugada em forma de sorvete, geralmente num pote de 2l para o amanhecer.

Outra modalidade era o controle de qualidade de pizza delivery. Pede duas gigantes, com promoção de 2l de refri de diferentes fornecedores e veja quem chega antes. A que chega primeiro tem prioridade no caminho do mar. A segunda um fio de azeite!
A operação deixa marcas e vai exigir uma revisão geral de protocolos.

O dia fica maior sem reuniões em torno de uma mesa de bar ou restaurante.

É muito difícil,ninguém disse que seria fácil sair desta terra. Aliás o próximo será sobre Verdades, mentiras, anões,duendes e bruxinhas.

Quem viver verão de cinta e duas camisas!

domingo, dezembro 21, 2008

Matemáticas Gordas e Complexas


Uma coisa comum a todo gordo é mentir com relação ao que come. Come-se muito na Gordolândia. Alguns snacks, no entanto, não são relevantes o suficiente para serem contabilizados como comida e vão para a terra do esquecimento. O problema é que o caixa dois da Gordolândia é no mesmo lugar do caixa um, o corpo do gordo. E aí o clássico chavão: eu não sei pq estou aqui na Gordolândia, como tão pouco!.
Existe também as tendências, os hormônios, a tensão, o stress e uma que eu gosto muito: retenção de líquidos. Conheci uma menina que deveria se chamar Itaipú.
É dureza, mas as coisas acessórias, não devem ser postas adiante da realidade: feita esta operação eu não posso acreditar em desculpas, as modificações de hábito devem ser completas, não valem falácias do tipo: minha hipoglicemia só cura com milk shake triplo, só carne alimenta, vegetarianismo não se sustenta e por aí vai.
Pode ser até que lá adiante eu tenha de rever isso ou aquilo, isso não é prerrogativa de quem se elege presidente (P maiúsculo, Pq?). Sem planos eu vou quebrar a cara, o lance é o cyberpescadorianismo.
Outro papo furado é o lance do vai com calma. Vá com a calma que se dispunha diante de um prato quente favorito de domingo. Tenha fome de fugir da gordolândia, no fundo todos te querem lá, é confortável, é conhecido, tem sabores e peso na pança como recompensa. Estabeleça metas altas, se não conseguir se emputeça e seja mais radical no próximo mês. Para se entrar em órbita na terra ou se alcança uma determinada Energia, ou nada feito. Menos é chão. Mais as alturas.

Como diria algum Herói de TV: Para o alto e avante!

sexta-feira, dezembro 19, 2008

Cinemas, comidas e conceitos


Eu estava pensando em postar uma vez ao dia, mas também sei que não irei cumprir isso religiosamente, portanto essa regra é ridícula e desde já nula. Postarei quando precisar.

Saí pra caminhar, é bom. Logo necessário. Essa não é uma regra ridícula. Anotado.

É bom pensar andando, vc desova muitas coisas no caminho. Parado elas caem nos bolsos e as neuras continuam no uniforme com certeza. Andar e pensar podem tirar nódoas do uniforme.

To numa fase de revisão de conceitos. Gosto de cinema e de falar sobre isso em geral, realizadores, produtores, atores, fotografia, diretores, cineminhas, cinemões, tosqueiras e coisas chiques. Bem, uma coisa muito chata é quando na conversa alguém chama um filme de lixo. Sempre me irritei com isso, lixo, merda, horrível enfim adjetivos q encerram o assunto o filme em questão foi arrasado. Bem, uma das coisa que gosto de fazer pra salvar a conversa, pricipalmente quando o filme em questão me agradou é uma pequena anamnese. Por exemplo, ENSAIO SORE A CEGUEIRA do Meireles, tem gente que ama (as myself) e gente que odeia (urf!) e os blasees no olimpo q gostam de cinema iraniano de pequenos movimentos de cabeça, alguma sonolência e fleuma. Umas malas adoráveis. Para todo mundo que detona o filme eu pergunto algumas coisas: e arte? sim a arte é boa. boa? é a arte é excelente. o som do filme e a trilha são sensacionais! é são sim. a fotografia é foda! ah publicitária! po o filme é lindo adaptar um lance de cegueira no cinema é foda a foto conta história, não pode ser publicitária! é...a foto é boa. o elenco é super correto! é sim...e o roteiro do filme é muito bom! também baseado num livro do Saramago, tinha de ser!
Enfim essa conversa desenboca num paradoxo: o filme tem todas as partes bem acima da média: arte/imagem/som/elenco... e o cara insiste em definir como merda. Queria saber como uma pessoa destas avaliaria seu filho de 12 anos: vc tem média 8, passou de ano, tirou 9 aqui, 7 ali...eu te odeio e vou te expulsar de casa! Enfim...não entendo isso.

Pois bem, saí pra caminhar pq o cheiro do almoço também estava cruel. Na rua muitas lanchonetes e restaurantes se preparando para receber seus clientes. Passei por um self-service e lembrei de mim passando pelas saladas olhando isso e aquilo, fazendo caretas pra isso ou aquilo. A careta era o final de um pensamento só: que merda! Ou seja, muitos alimentos foram julgados e condenados sem muita defesa. Tenho de rever isso e buscar meu garoto de 12 anos lá fora, tratar de amadurecer estas idéias e botar pra jogo conceitos de cinema na mesa. Gosto é uma coisa infantil, um alimento deve ser analisado (e para tanto conhecido) por mais valências: texturas, funcionalidades, vitaminas e por aí vai. E enfim substituir o antigo, redescobrir o gosto em cima de muitas outras variáveis.

Notas para o Futuro


O grande problema em qualquer dieta é o de se comer o que não deve.
Está no DNA desejar o que nos é proibido, Adão que o diga. No recém gastroplastizado isso não acontece de maneira óbvia. É legal a abordagem de que mais tarde tudo ai voltará ao normal, vc poderá comer de tudo moderadamente, ou seja uma coisa que o operado jamais conseguiu em toda sua vida, falhou repetidas vezes, pois seu estomago maldito não deixava. Eu não posso pensar assim, não quero e preciso de uma alternativa. Pq? Já explico, primeiro q este pacto faustiano de dizer q "depois" tudo volta ao normal é uma arapuca. O cara de IMC alto q opera tem como comum dietas fracassadas q baixaram seu IMC e fora de condições específicas o levaram novamente ao IMC alto. Neste caso o normal não interessa, o normal de um obeso é estar obeso. Depois de uma operação radical destas eu quero emergir lá na frente em uma anormalidade, um estado metaestável longe do comum a minha vida toda, não sei se magro prefiro pensar em IMC e quero estar com um IMC baixo. Para isso eu devo encarar a operação não como uma porta para a normalidade, devo enacará-la sim como uma cisão paradigmática. Um ponto de virada, onde a partir deste momento as coisas nunca mais voltarão s serem normais, normais ao estado de obesidade. Pra fazer isso, eu tenho também de mudar o normal. O normal antigo ansioso buscava na padaria e na churrascaria a felicidade. No supermercado, massas e carnes. Eu pretendo esquecer isso tudo, substituir tudo isso por um balanço "cyberpescadoriano", aí tive de usar aspas q recusei até então.
O operado não poderá abrir mão de alguma sutplementação artificial de alguns nutrientes por capacidade de reservatório, ou seja pilulas ou compostos de A a Zinco farão parte da cesta básica. Não tem muito o que se pensar sobre isso, então é cumprir burramente. O resto é comigo, portanto eu vou esquecer um modelo q não deu certo e buscar algo novo: sucos funcionais, vegetarianismo e peixes. Isso é o novo paradigma q vejo no horizonte, claro q um sorvete festivo rolará também, mas Bob's, Porcão, Outback e Pão branco. Acabaram-se pra mim. Não fazem parte de uma nova normalidade de vida. Nem em datas festivas. Podem esquecer o convite. Proibido são os vegetais e peixes. O normal eu não quero!

Operei dia 11 de dezembro de 2008


Hoje uma semana depois começo a falar disso. É muito estranho, não comi nada nestes 7 dias, sendo que em alguns eu nem bebi e não sinto fome. Lógico, a vida passada se faz presente, estou em uma casa com familiares que comem, com muita feqüência. E tortas e empadões são sedutores. Nesses momentos, rola desejo mas sem salivação. Pensar adiante, encarar o desafio e competir com o tempo me ajudam.
Para quem não sabe, após o processo cirúrgico bariátrico (eu fiz bypass gástrico - Capella com Y Roux e anel) rola uma dieta zero de 2 dias, onde absolutamente nada entra pela boca. Sente-se sede, apesar da hidratação garantida parenteralmente.
Depois disso, a ingesta é de líquidos ralos, magros isentos de açúcar barato em copinhos de 50 ml. Também rolam caldinhos, que são chás de sopas. Eu to optando pela infusão de salsão, água e sal. Cuado com pano. Guardo-o como iguaria, três porções/dia.
To usando também o subterfúgio de congelar minhas porções doces, demoram muito mais e me dão um frisson, um it numa dieta árida. Aliás, as vezes rola uma sede e a urina é outro departamento.
Como eu não está entrando nenhum piéce de resistance meu corpo está se digerindo. E a urina sai cetonada, quem já fez SPA sabe do que se trata, é o segredo deles, vc diminui a comida e em uns 4 dias entra neste estado, ai fica fácil saber quem está saindo da dieta com os potes de urina pela manhã, se comer um traquinas derruba o processo e vc sai do estado cetonado. No Spa é fogo de manter este estado pq o estomagão se sente amado apenas locupletado. Como estou de estomaguinho jovem, as coisas são fáceis assim: Não sinto fome.
Sede é outra conversa, apesar do gelinho ajudar bastante.
Fecho aqui, amanhã falo de apoios, família, amigos e derrubadas.

TopBlog 2013

Gente que vai, gente que vem

Partizan FK do Andaraí

Partizan FK do Andaraí
Meu time de botão.

Pedra da Gávea 2011

Pedra da Gávea 2011
27.03.2011 powered by TRJ

Contadores do Obesity Help

Caminhando em 2010

Caminhando em 2010
Morro dos Cabritos - 9.01.2010

Flag Counter

free counters

Grutas em Maricá

Grutas em Maricá
20.01.2010

Alto Mourão - Parque Nacional da Tiririca - Niterói/RJ

Alto Mourão - Parque Nacional da Tiririca - Niterói/RJ
31.01.2010 - Alto Mourão - Niterói/RJ

Armadilhas Orais

Margarinas, biscoitos, salgadinhos, sorvetes: esses alimentos são ricos em gordura hidrogenada, portanto, aumentam o colesterol ruim e diminuem o bom colesterol (que protege as artérias). Pele de aves, bacon, toucinho, gordura aparente das carnes: esses queridinhos do paladar masculino são ricos em gordura animal. Por isso, aumentam o colesterol e podem prejudicar a saúde cardiovascular. Café ou chá preto em excesso: pensa que só porque está colocando adoçante tudo está salvo? Essas bebidas contêm cafeína, que podem, em altas doses, favorecer o aumento da pressão arterial e dificultar o sono, além de provocar dor de cabeça em indivíduos sensíveis. Temperos prontos: esse ingrediente contém glutamato monossódico e conservantes que, se consumidos habitualmente, podem sobrecarregar a função hepática. Açúcar simples e doces: eles aumentam a glicemia e podem, no futuro, alterar a ação da insulina e serem uma das causas de síndrome metabólica (conjunto de doenças que aumentam as chances de doenças cardiovasculares). Alimentos industrializados e conservas: esses alimentos ou petiscos podem aumentar a pressão arterial, além de outros males à saúde, dependendo da opção, pois são muito gordurosos. Embutidos: os embutidos (salsicha, linguiça, salame), além de serem muito salgados e gordurosos, contêm nitrato na sua composição e essa substância pode causar enxaqueca. Bebidas alcoólicas: ninguém está te proibindo de tomar um copinho ou outro de vez em quando. Mas o hábito sobrecarrega o fígado e pode prejudicar, inclusive, a função cerebral. Frituras: principalmente as que comemos na rua, como pastel, você deve deixar de lado. O óleo é reaquecido diversas vezes, podendo causar a oxidação da gordura, o que é prejudicial para a circulação sanguínea. Isso não significa que em casa está liberado. Evite! Refrigerantes: essas bebidas, mesmo as que não têm açúcar, não são uma boa opção. Eles possuem muitos conservantes, corantes, estabilizantes (e alguns, também, adoçantes). Essas substâncias sobrecarregam o fígado para que sejam eliminadas. Além disso, alguns possuem cafeína também.

Diga não a NanoFobia

Diga não a NanoFobia
Adote um anão

Carnaval 2010 - São João Nepomuceno/MG

Carnaval 2010 - São João Nepomuceno/MG
Cachoeira da Fumaça - São João Nepomuceno/ MG - Carnaval - 12-16/02/2010

Parque Estadual da Pedra Branca - Jacarepaguá - RJ/RJ

Parque Estadual da Pedra Branca - Jacarepaguá  - RJ/RJ
Travessia Pau da Fome/ Camorim - 1/05/2010

Peito do Pombo - Barra do Sana - Macaé/RJ

Peito do Pombo - Barra do Sana - Macaé/RJ
Powered by Trilhas RJ - 15 e 16 de maio de 2010

Travessia Tijuca X Jacarepaguá

Travessia Tijuca X Jacarepaguá
Powered by Trilhas RJ - 8.8.2010

Blog do FutMesa Dadinho do Mecão

Dicas para uma dieta bacana

Comer bem não significa viver à base de produtos light e diet. Uma alimentação saudável contém mais produtos naturais e menos industrializados. Deve ter mais variedade e menos quantidade.

- Ficar muito tempo em jejum trava o metabolismo. Sem energia, o organismo passa a poupá-la. Alimentar-se a cada três ou quatro horas (cinco a seis refeições ao dia) é essencial para ter disposição e saúde e também para emagrecer.

- Começar o dia tomando café e se alimentando com carboidratos (como pães e frutas) é uma opção inteligente porque esse nutriente é fonte de glicose e energia. O cérebro só se abastece de glicose.

- Ao meio-dia, é estratégico comer proteína (carnes). Devido às suas propriedades nutricionais, o alimento evita a sensação de sonolência após o almoço. À noite, ao contrário do que pregam muitas dietas radicais, os carboidratos são opção porque estimulam os hormônios do sono e do bem-estar.

- Preparar-se para fazer lanches entre as refeições é simples. Não é motivo de vergonha levar um sanduíche com pão integral ao trabalho. "Na hora da fome ninguém pensa e, sem nenhum alimento saudável à vista, é mais fácil se render às guloseimas", diz Tatiana.

- A proteína do soro do leite (whey protein) pode ser introduzida sem medo na alimentação. É um produto industrializado, mas de alto valor biológico (150%) e de fácil digestão.

- Para conquistar uma vida saudável, combine alimentação equilibrada com a prática de exercícios físicos.


As dicas são da nutricionista Tatiana Ferraz, de São Paulo para o blog Missão de Peso

TwitPic

Blogs Chapa Quente