segunda-feira, janeiro 25, 2010

Surtos, atitudes, fracassos e outras incoerências

Hj em dia todos somos cobrados por atitudes, lucros, ganhos, vantagens, coerencias entre tantas outras cobranças. A gente quer ser bacana o tempo todo, manter a dieta comendo gostoso, andar na moda gastando pouco, fazer exercícios sem se matar, pegar uma praia sem passar um calorão. Todo desejo vem aos pares, as receitas de felicidade nunca andam sozinhas.

Qdo a gente está de fora consegue ver q o círculo vicioso q nos prende, geralmente é um redemoinho. Ele nos prende exatamente por conta de dogmas de comodidade e conforto. Mesmo q estejamos manifestamente no fundo do poço, uma posição de conforto nos prende a ela como um charco movediço. Estamos sempre num emaranhado de dogmas, vícios, obrigações e algumas reecompensas.

No caso do obeso é fácil ver isso, somos dogmáticos não conseguimos uma série de coisas que nunca tentamos mudar de verdade: comer sem feijão, viver sem cocacola, abandonar o pão, achar um absurdo não poder comer um churrasco todo final de semana. Odiamos suar, não gostamos de roupas q apertem, mas não paramos de crescer dentro delas. Qdo perdemos peso depois de uma boa dieta, a comemoração é paradoxal e pantagruélica!

Surtar pode ser positivo, se for o início de pelo menos um erro inédito. Sim, surto pode ser a quebra e o afastamento deste redemoinho no pantano de vícios q vivemos. A tão propalada atitude pode ser interpretada como surto, ou não? Tem q se propor metas, novas metas. Correr atrás de novos modelos, novas práticas. Pra sair do atoleiro a tração é 4 por 4 e a marcha é pesada. Sem medo de lama, pq a bosta está em septicemia, tenha isso claro.

O surto é o estopim. A esperneada só é consistente, se for acompanhada de uma sequencia. DE uma situação desesperadora, não tem jeito, a solução é desesperadora também. Tem q espernear, fazer o upa, empurrar, puxar e qdo puder ficar de pé, plantar a base e aí sim respirar. Dúvida? Depois do surto não há espaço pra isso. Depois da porrada é partir atrás do crânio e só parar depois de pulverizá-lo. Mas e se não der certo?

Recupere o folego, administre as energias e parta pro pau novamente. Se sair do redemoinho é o q vc realmente quer, não tem jeito.

O gde cuidado com o surto é não reduzilo a pití. Mas este é outro papo.

sexta-feira, janeiro 15, 2010

Suor e Chuvas


Janeiro está com a macaca. Tudo culpa do El Niño. Depois vem La Niña e por aí vai. Cientistas distribuem desculpas para a politicalha daqui e de lá. Ruas alagadas, blitz da lei seca debaixo de uma chuva do cão. Fatura de cartão, carnês de IPTU, cartões de Natal pipocando. Taquelos Parió Cabrón!

Com a chuva trilhas e corridas de rua ficam complicadas de ser feitas. Se no seco os carros ignoram quem anda no meio fio, imagina com chuva. Além disso, poça dágua podre não falta. No Alto partículas de urubú e despacho existem em septicemia. Sim, empoça água no Alto. Puta ladeira com poça dágua. Asfalto surreal.

Qdo a atividade física entra na rotina, no início os anticorpos atacam impiedosamente, preguiça instalada, toda sorte de desculpas para a gente se render a pasmaceira e cabular o trabalho com o corpo. Ultrapassada esta fase, bufar e fazer força entram no repertório de maneira dinâmica. Variando da obrigação diária a terapia mental. Malhar entra como a higiene, como parte da digestão e da dieta.

Além disso, cada um busca suas motivações pessoais. Eu ando em busca de objetivos físicos e catarses mentais. Tenho procurado treinar de maneira eficiente e dura. Acredito q esta é a melhor maneira de otimizar o tempo dentro de uma sauna puxando ferro e pedalando sem sair do lugar. Há quem goste, mas uma vez q vc ande nas Paineiras, fazer atividade trancado numa casa superlotada de gente e bate estaca rolando no som é um círculo do inferno.


Busco treinar sempre com um monitor cardiáco e posso garantir q trabalhar acima de 65% da zona alvo é absolutamente necessário. Uma aula de spinning tem q terminar com as meias molhadas. Simplesmente não entendo quem não sua numa aula destas. Pra quem não sabe o q é zona alvo o básico é muito simples. O número cabalístico é o 220. Diminua dele a sua idade e vc tem a frequencia cardiáca máxima pra sua idade. Entre 65% e 75% deste valor, vc trabalha numa zona ótima da queima de bacon, treinos com mais de 40 minutos. Entre 75% e 85% vc passa para o patamar de competição, trabalho cardiovascular. Acima disso só pra quem está bem orientado, monitorado e ganhando grana com o esporte q pratica, não é recomendado para amadores. Tem ajustes a serem feitos nesses valores, mas o básico é isto. Um exemplo numérico simples: cabra de 40 anos, frequencia máxima 220-40 = 180 (100%), treino evapora bacon entre 117bpm (65%) e 135bpm (75%), porrada no peito máxima é de 153bpm. Tem monitores de diversas marcas e preços. Eu uso um fusquinha da oregon q custa 100 pratas. Marca hora e os batimentos. Tento manter acima de 130 a maioria do meu treino. Com isso em mente, o suor é garantido.


Pegar o treino acima de 75% é o mais desgastante, sua-se bastante e pode-se ajudar o corpo com a mente, mantendo o objetivo de batimentos e purgando as mazelas da vida pela sudorese e um grito ou outro durante a aula. Os impostos não serão perdoados, mas a gente pode espancar mentalmente esta camarilha q graça nas esferas de governo aqui e acolá.


Depois de pagar o preço com gasto de O2, o lance é fazer força comendo ferro. Série básica para grandes grupos musculares, no limite de força com 3 séries de 8 a 10 repetições por série. É um saco, mas dá resultados.

Novamente pode-se pensar em estrangular um ou outro político, funcionário da prefeitura ou mesmo centro avante do time q anda por ai tirando onda, mas gol q é bom nada. Enfim, em duas horas de academia vc pode matar um bando de gente e enxugar a sua banha.

Beber água e comer fazem parte, no verão então num dá pra ficar sem. Acho bem frutinha, carregar garrafinha dágua, mas num tem jeito. Vale a pena levar uma cheia de gelo e ir bebendo aos poucos. Comer eu como quase sempre barrinhas de proteina, na transição do spinning pra maromba.

Tenho tomado além do centrum, complexo B e uma carga de BCAA. Tenho sentido menos dores musculares desde então. Como não como carne de bicho q anda, tenho olhado com mais cuidado meu consumo de proteínas. Aliás, a dieta continua a base de grãos, frutas e legumes. Café e queijo tbém.

No mais é lamentar tanta tragédia nesse começo de ano e o excesso de Arrudas por aí.

terça-feira, janeiro 12, 2010

Fim do Mundo


Ontem rolou a notícia de uma mulher morta durante uma lipoaspiração. Ela iria fazer a terceira operação em pouco mais de um mês. As operações foram realizadas numa clínica, localizada no terceiro andar de um prédio no Centro de um município próximo aqui Rio de Janeiro. A tragédia ganha toques surreeais qdo um dos familiares denunciam q um dos médicos sugeriu que as convulsões da paciente durante a anestesia poderia ser obra de espírito zombeteiro e q ela deveria ser assistida por algum exorcista ou algo assim. É o fim do mundo mediado por uma mistura de charlatanismo oficial e satisfação de uma vaidade desinformada e preguiçosa. No fim o prejuízo é familiar, uma mãe morta, filhos órfãos, família destruída.

O charlatanismo é oficial sim. Clínicas são registradas pelo governo e suas esferas de administração, são fiscalizadas pelos serviços q prestam e pelos impostos q pagam. Acho q diante de uma morte a paulada deveria descer na diagonal, tudo aí está errado. De fiscais q não fiscalizam a médicos q indicam mães de santo como solução a emergencia anestésica na mesa de operação. Uma clínica no terceiro andar de um prédio comercial no centro velho da cidade de Tenório Cavalcante não poderia estar apta a realizar atos cirúrgicos. Talvez no máximo tirar umas unhas encravadas e olhe lá. Mais uma vez, alguém teve de morrer pra isso vir a baila novamente. Daqui a pouco a poeira baixa e outra clínica será descoberta. Talvez neurológica, realizando lobotomias e transplantes de medula, num quiosque de shopping center.

A vaidade desinformada tbém é ingrediente básico deste angú de caroço. Nossa classe média quer ter vantagem em tudo, quer possuir, consumir e ter. Pra tudo isso tem Mastercard e Visa, planos de 24, 48, 128 prestações. Cirurgias, playstation 3, TV's de 50 polegadas é tudo a mesma coisa. Coma um hamburguer hj, lipoaspire ele amanhã. A merda toda é q uma cirurgia não é um retoque de photoshop. Em toda operação existe um transiente q pode ir de algumas horas a alguns meses. Ninguém gosta muito de falar sobre isso. Nunca se teve tanta informação disponível e ao mesmo tempo tão desperdiçada. Negligência do consumidor ajuda essa prática. Uma operação não é a compra de uma camisa ou perfume. O pessoal da livre iniciativa vendeu esse peixe e a gente engole ele sem reclamar. Aliás quem reclama acaba sendo desagradável mesmo.

Eu mesmo fico irritado qdo vou nas reuniões do grupo de obesos candidatos ou veteranos da operação de redução de estomago. Ja falei dela por aí, ocorre todo mes e funciona como uma gde consulta aberta para candidatos e de apoio de grupo para os q já a realizaram. A irritação vem de algumas perguntas q se repetem, da negação a algumas das consequencias da opção pela operação, da busca por panacéias q não estão ainda no mercado. Enche o saco, mas sinceramente antes isso q descobrir mais tarde q alguém ali morreu numa operação de fundo de quintal.

Eu já operei, confesso ter muito medo das plásticas reparadoras e penso q jamais faria uma lipoaspiração. Mas vivemos em tempos de hiperestímulos, onde comer e fazer plástica são signos de status e poder. Uma bosta eu sei, mas é isso mesmo. Qto maior o nosso horizonte mais rasa a nossa consciencia, o tempo cada vez mais curto não permite questionamentos maiores, contemplações, reflexões. Tudo parece ter de ser resolvido em cima da perna, com conselhos pregnados pelo departamento de mkt de uma gde corporação.

Pois bem, isso tudo implica em uma bifurcação de soluções oficiais e bem regulamentadas, mediadas por planos de saúde e fiscalização belga. Ou pro mundo subterraneo genérico com medicina mista com sincretismo religioso, celulares powerpack e dvd's genéricos. Algo regulamentado à moda bangladesh.

Lamentável ver gente morrendo por conta de uma indústria de emgrecimento por aí. Quem pode evitar esta merda e não faz nada é cumplice.

segunda-feira, janeiro 11, 2010

Pontos de Vista


Algumas pessoas insistem em perguntar pq se sobe uma montanha, até o Seinfeld já fez piada com isso e logicamente, foi devidamente traduzido e incorporado no repertório de comédia em pé q graça nos palcos do RJ, a capital mundial da clonagem de besteirol.


Subir uma trilha emagrece, isso me bastaria, mas tem mais, muito mais. Vc sua como um cabrito montês, treina o senso de equilíbrio, ganha força mental, ainda mais qdo fica meio sozinho na trilha, pois tem q tomar decisões a curtíssimo prazo, onde colocar o pé para o próximo passo, acelerar para chegar no pelotão de frente ou reduzir para se juntar ao grupo fecha trilha? Manter o ritmo ou dar uma respirada a mais? Além disso a própria trilha treina a cabeça da gente, as vezes a inclinação aumenta, exigindo mais da caixa, as vezes ela alivia e vc se refaz. Depois de um tempo vc acha q vai acabar logo, mas o bom mesmo é não se importar com isso e subir, manter o foco apenas no próximo passo e na respiraçao no limite do controle. Vc compete e assume suas faltas, exerce suas maldades, qdo olha para alguém q para no meio do caminho. Exerce solidariedade ajudando alguém próximo. Dá polimento no orgulho ao rejeitar a solidariedade alheia. O clichê de q o caminho é paradigma de vida é real.

Subir, ver as coisas do alto, de um ponto de vista diferente. Tomar consciencia do espaço urbano, sacar melhor a cidade, ter noção de onde se está. Qdo se sobe o morro se descobre isso tudo. A Cidade se mostra de uma maneira diferente, vc começa a ver pq as coisas e os fatos se conectam, como as obras se apresentam. Do alto vc aprende um pouco de urbanismo, geografia e lógico educação física, tudo junto e misturado. Acho q todo Prefeito deveria subir o Pico da Tijuca uma vez por ano. Lá tem até escada, de helicóptero o cara ve a cidade em 5 minutos e depois vai pra Paris esquecer dela. O amor por algo q faz a gente suar e perder o folego não tem preço.

A gente sobe o morro pq lá em cima a Cidade é mais bonita, a vista encanta, tem a nostalgia dos filmes mudos, com trilha do Uakti ventania e folhas. A agua desce mais q gostosa, qquer barra de cereal vira iguaria. Ate mesmo os ralados de uma ou outra derrapada são positivas, marcam picos de adrenalina num cérebro imerso na modorra cotidiana. Respirar ar bom, curtir a vista, brincar de fotógrafo ou só contemplar. Mudar de ponto de vista tem seu preço. É muito bom saber q temos cacife para bancá-lo.

Ainda com cliches, vc pode estabelecer metas de curto, medio e longo prazo. Pedras angulares na trajetória q se busca, imaginar uma caminhada na Patagonia ou no Nepal como meta de longo Prazo, Diamantina a médio e a travessia Imperial a curto, por exemplo.

Enfim, muitas são as razões q existem para subir o morro, mas a que interessa mesmo é q lá em cima é bonito pra caramba!

quarta-feira, janeiro 06, 2010

Adictos e Exagerados

Um ano diferente este q passou. Pouco tempo se comparado a minha vida, mas um belo começo para o q vem por aí. O estomago cotó ajuda a segurar a onda nas piores horas, horas em q comer parece ser a melhor solução, outrora a única.

Algumas vezes associo o drive de comer do compulsivo ao vício de drogas hardcore, e cada vez mais reafirmo essa certeza. Tem horas q a vontade bate mesmo. Aliás, como um bom adicto, separar vontade de drive é uma dificuldade. Necessidade então quase impossível. E hj em dia isso é fundamental.

Eu comecei a malhar em outubro do ano passado. Associar mais qualidade a meu emagrecimento, fortalecer corpo e mente, pq qdo as coisas endurecem e encaroçam a auto estima sobe, sem dúvida nenhuma. Porém, tudo vem aos pares, nada é de graça, sempre tem um preço. E não me refiro a mensalidade. Malhar dá fome, óbvio vc gasta mais energia e o corpo pede a reposição. Por isso, o papo de drive, vontade e necessidade se torna ainda mais complicado. A chave é definir uma qualidade, emaranhada em corpo e mente.

Outra variável q complica a cabeça adicta obesa é medo de engordar, q somada ao emaranhado aí de cima, bagunça ainda mais os miolos do gorduroso ser. É muita informação a ser processada por conta de um único desejo: comer. Junte a isto todo o resto. necessidades especiais de cada um: impostos, carro, relacionamentos afetivos, profissionais etc e etc... Dependendo da capacidade de segurar a onda o cara engorda, ou acaba virando serial killer de vendedor de churrasquinho.

O estomago cotó, é uma ferramenta a ser usada em favor do fugitivo, sim ele é uma barreira física, q em tons suaves pode ajudar na diferenciação do q é necessário ao q é compulsivo. Indo um pouco adiante, vc pode passar mal. Mas aos poucos vc pode enganar até mesmo essa barreira física. Por isso q a qualidade biológica do q se come deve vir sempre a frente. Quem opera e mantém o prazer de comer acima de tudo, periga fracassar e ficar na gordolandia. A fuga passa por aquilo q vc prioriza à mesa. Whey é um bom exemplo, um copo de vitamina de whey goleia qquer bife em quantidade e qualidade de proteina, com baixissimo colesterol e carboidrato.

Por outro lado, se o gordo encanar com quantidades e sabores da vida pré-corte ele pode descobrir outros estados miseráveis da mente. As vezes eles me assombram, é dureza mas tenho mantido a fuga. Não é fácil, se engana quem acha q é. A esparrela ta aí pra quem acreditar, mas há um ano e pouco de distancia no tempo da minha operação, garanto q é muito fácil vacilar. Dureza é manter a linha reta.

Enfim, o bom conselho do dia é o seguinte, tá com fome? vai andar!

terça-feira, janeiro 05, 2010

BS

Ano novo papo velho. Papo velho e furado. Muitas resoluções de ano novo, dietas a serem feitas, melhorias pessoais e coletivas. Busca por novos horizontes, novos desafios. Se possível pra depois do Carnaval, pq ninguém é de ferro.

O período de festas foi tentador, com suas comidas e bebidas especiais. A estratégia pra guerrilha de se manter na fuga foi tbém começar coisas novas, boca a dentro. Chás e queijos diferentes. Algumas frutas secas, outras in natura, aliadas ao bem estabelecido repertório de grãos e legumes q estão segurando muito bem minhas taxas e a minha saciedade. Feijões, lentilha, grão de bico, sempre extra temperados (experimentem colocar gengibre como louro no feijão ou no grao de bico, amplifica o sabor de pimenta, dá um cheiro e uma força ao caldo q só).

Aumentar a frequencia com q entro no mato tbém é necessidade, conhecer novas trilhas, percorrer as conhecidas com mais ritmo e carga. Foco na Travessia e em outros roteiros q andam na minha cabeça. Estabelecer algumas pedras angulares ajudam a manter uma rotina recém adquirida, mas q se mostra efetiva em termos de resultado. Além de garantir alguma higiene mental para segurar a onda de provocações diretas e indiretas as opções q tenho feito.

As vezes parece q todo mundo a minha volta espera o momento de me ver comer um hamburguer e dizer EU SABIA q vc não ia aguentar. O pior fogo é sempre o amigo, por isso, o melhor é seguir solo nessa briga. A fuga é trabalho de Ronin. Acreditar em parcerias são bem vindas, mas há q manter a atenção sempre. Emagrecimentos e dietas são intransferíveis.

Correções de rumo tbém podem ser feitas a qquer momento, mas o início de um novo ano pede essa revisão. O primeiro ano deste catártico blog foi completado e complicado. Sim, falar de um processo próprio, o cagaço de vacilar e quebrar regras inventadas por mim mesmo, entrar em contradição e parar com a fuga assusta. Além disso, por mais q eu queira, sei q tenho um compromisso com o q escrevo por aqui. O vínculo com os 4 leitores deste blog ajudam bastante na hora q bate um banzo de vidas passadas.

Já me despedindo das pieguices de ano novo, saúdo a todos q de vez em qdo perdem tempo lendo as neuras de um tolo fugitivo da gordolândia.

segunda-feira, janeiro 04, 2010

E está aí 2010

Ano de Copa do Mundo entre outras baboseiras.


Vários carnês, análises para pagar antecipadamente o IPTU, o IPVA, a Taxa de Lixo, de Incendio, Matrículas, licenças e outras tantas taxas.

É um ano q começa de maneira diferente, nem lembro da última vez q começo o ano sem a obrigação de perder peso absurdamente. Em 2009 já enxuguei muita banha, manter o q tenho feito, aumentando a qualidade e a intensidade dos meus exercicios vão ajustar a carcaça no limite.



Preciso agora dar um gás no resto da vida. Manter a Fuga tbém empurra a gente prum horizonte mais amplo.

To num grupo de trilhas muito bem estruturado. Quero fazer o circuito da Floresta come eles e seguir em aventuras maiores.



O Mecão voltou!

Mais de um ano sem comer carne de bicho q anda, coisas de padaria e bebidas com bolhas. Glúten em níveis mínimos.

Complexo B e BCAA entram na rotina junto com Centrum e Whey. Frutas, grãos e muitos vegetais. Algum refresco de garrafa, enlatados e temperos prontos, mas o rango em qualidade tá bem acima da média.

Bola pra frente. Bem vindo 2010!

TopBlog 2013

Gente que vai, gente que vem

Partizan FK do Andaraí

Partizan FK do Andaraí
Meu time de botão.

Pedra da Gávea 2011

Pedra da Gávea 2011
27.03.2011 powered by TRJ

Contadores do Obesity Help

Caminhando em 2010

Caminhando em 2010
Morro dos Cabritos - 9.01.2010

Flag Counter

free counters

Grutas em Maricá

Grutas em Maricá
20.01.2010

Alto Mourão - Parque Nacional da Tiririca - Niterói/RJ

Alto Mourão - Parque Nacional da Tiririca - Niterói/RJ
31.01.2010 - Alto Mourão - Niterói/RJ

Armadilhas Orais

Margarinas, biscoitos, salgadinhos, sorvetes: esses alimentos são ricos em gordura hidrogenada, portanto, aumentam o colesterol ruim e diminuem o bom colesterol (que protege as artérias). Pele de aves, bacon, toucinho, gordura aparente das carnes: esses queridinhos do paladar masculino são ricos em gordura animal. Por isso, aumentam o colesterol e podem prejudicar a saúde cardiovascular. Café ou chá preto em excesso: pensa que só porque está colocando adoçante tudo está salvo? Essas bebidas contêm cafeína, que podem, em altas doses, favorecer o aumento da pressão arterial e dificultar o sono, além de provocar dor de cabeça em indivíduos sensíveis. Temperos prontos: esse ingrediente contém glutamato monossódico e conservantes que, se consumidos habitualmente, podem sobrecarregar a função hepática. Açúcar simples e doces: eles aumentam a glicemia e podem, no futuro, alterar a ação da insulina e serem uma das causas de síndrome metabólica (conjunto de doenças que aumentam as chances de doenças cardiovasculares). Alimentos industrializados e conservas: esses alimentos ou petiscos podem aumentar a pressão arterial, além de outros males à saúde, dependendo da opção, pois são muito gordurosos. Embutidos: os embutidos (salsicha, linguiça, salame), além de serem muito salgados e gordurosos, contêm nitrato na sua composição e essa substância pode causar enxaqueca. Bebidas alcoólicas: ninguém está te proibindo de tomar um copinho ou outro de vez em quando. Mas o hábito sobrecarrega o fígado e pode prejudicar, inclusive, a função cerebral. Frituras: principalmente as que comemos na rua, como pastel, você deve deixar de lado. O óleo é reaquecido diversas vezes, podendo causar a oxidação da gordura, o que é prejudicial para a circulação sanguínea. Isso não significa que em casa está liberado. Evite! Refrigerantes: essas bebidas, mesmo as que não têm açúcar, não são uma boa opção. Eles possuem muitos conservantes, corantes, estabilizantes (e alguns, também, adoçantes). Essas substâncias sobrecarregam o fígado para que sejam eliminadas. Além disso, alguns possuem cafeína também.

Diga não a NanoFobia

Diga não a NanoFobia
Adote um anão

Carnaval 2010 - São João Nepomuceno/MG

Carnaval 2010 - São João Nepomuceno/MG
Cachoeira da Fumaça - São João Nepomuceno/ MG - Carnaval - 12-16/02/2010

Parque Estadual da Pedra Branca - Jacarepaguá - RJ/RJ

Parque Estadual da Pedra Branca - Jacarepaguá  - RJ/RJ
Travessia Pau da Fome/ Camorim - 1/05/2010

Peito do Pombo - Barra do Sana - Macaé/RJ

Peito do Pombo - Barra do Sana - Macaé/RJ
Powered by Trilhas RJ - 15 e 16 de maio de 2010

Travessia Tijuca X Jacarepaguá

Travessia Tijuca X Jacarepaguá
Powered by Trilhas RJ - 8.8.2010

Blog do FutMesa Dadinho do Mecão

Dicas para uma dieta bacana

Comer bem não significa viver à base de produtos light e diet. Uma alimentação saudável contém mais produtos naturais e menos industrializados. Deve ter mais variedade e menos quantidade.

- Ficar muito tempo em jejum trava o metabolismo. Sem energia, o organismo passa a poupá-la. Alimentar-se a cada três ou quatro horas (cinco a seis refeições ao dia) é essencial para ter disposição e saúde e também para emagrecer.

- Começar o dia tomando café e se alimentando com carboidratos (como pães e frutas) é uma opção inteligente porque esse nutriente é fonte de glicose e energia. O cérebro só se abastece de glicose.

- Ao meio-dia, é estratégico comer proteína (carnes). Devido às suas propriedades nutricionais, o alimento evita a sensação de sonolência após o almoço. À noite, ao contrário do que pregam muitas dietas radicais, os carboidratos são opção porque estimulam os hormônios do sono e do bem-estar.

- Preparar-se para fazer lanches entre as refeições é simples. Não é motivo de vergonha levar um sanduíche com pão integral ao trabalho. "Na hora da fome ninguém pensa e, sem nenhum alimento saudável à vista, é mais fácil se render às guloseimas", diz Tatiana.

- A proteína do soro do leite (whey protein) pode ser introduzida sem medo na alimentação. É um produto industrializado, mas de alto valor biológico (150%) e de fácil digestão.

- Para conquistar uma vida saudável, combine alimentação equilibrada com a prática de exercícios físicos.


As dicas são da nutricionista Tatiana Ferraz, de São Paulo para o blog Missão de Peso

TwitPic

Blogs Chapa Quente